quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Chefe

Foram dez longos anos limpando a soleira da porta de entrada. Seus bom dia reverenciativos nunca eram respondidos, a latrina diária, limpada com afinco, nunca fora percebida. Esmero e dedicação eram correspondidos com aquele salário mixuruca. Os seus direitos eram seus deveres, mas agora que virara zelador sênior I tem seu deleite-recompensa: o prazer de transformar a maldita vida de seu subordinado na dele própria.

5 comentários:

Joao Antonio Ventura disse...

Adoro os teus contos pela simplicidade e concisão. Parabéns!

causoseafins disse...

Bacana, rapaz! Gostei desse conto :)
Voltarei mais vezes a seu espaço virtual.
E vc, quando puder, faça uma visita ao meu tb, hehe.

Abraços e saudações literárias.

Vanessa disse...

Cara, será que eu sou a limpadora de latrina.... ops...

Saudades neguinho...

CGM disse...

Como o poder nos sobe a cabeça!!! É só subirmos um degrau que esquecemos os outros que percorremos...

Leonardo Borba disse...

Ciclo vicioso e instigante!