quinta-feira, 7 de agosto de 2008

O mínimo de mim

Sou reflexos de meus dias mal vividos, na opinião de alguém,

ou bem curtidos em outra visão.

Sou o puro cintilar da vida que pulsa dentro de mim.

Experiências, sim é disso que sou feito, é isso que sou,


produto do meio, resultado de somas e subtrações,

altos e baixos, desse relevo que a geografia não ousa estudar,

que a física não compreende, a matemática não mensura.


A vida humana, aquela dádiva dada por Deus na aurora da criação.



Um comentário:

Anne disse...

Nossa realmente adorei seus poemas você é muito talentoso assim que publicar o primeiro livro e ficar famoso não esqueça dessa sua amiga aqui que tanto lhe adimira bjs