quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Memórias de uma pipa

Descia suave da imensidão azul, tela linda e infinita, sua calda farfalhava produzindo um gostoso poema sonoro. Sentia todos os olhares fixados em seu corpo colorido, naquele derradeiro momento as atenções lhe pertenciam, sabia ser alvo de toda aquela cobiça. Eriçada e tesa se entregaria ao primeiro que tocasse o seu corpo pós-queda!

5 comentários:

Cartografia n'alma disse...

Que lindo!!! A rabiola fazendo poemas sonoros foi incrível! Adorei!!! Voei com sua pipa! mil beijos!!!

Leonardo Borba disse...

Inspirado mesmo! Porém, essa cafifa esta muito facinha e entrega às mãos alheias. Um pipo preferiria uma que se joga-se por sobre as casas e dificil de se ter.

Natalia Crivello-CLIo disse...

Meu amigo,,,,Q lindo!!!!!!adorei!!!!!!!!!
bjkssssss

Cátia Gama disse...

Facinante transformar uma cena cotidiana em algo tão inspirador! Como as palavras certas podem melhorar os momentos...beijos.

Cátia Gama disse...

Corrigindo...Fascinante...rsrs